Tensão entre Brasil e França na história


A lagosta é nossa

Entre 1961 e 1963, Brasil e França disputaram a pesca da lagosta no litoral nordestino. Por pouco o imbróglio não terminou em guerra

Avião brasileiro sobrevoa navio da Marinha francesa no litoral nordestino em 1963 | Wikicommons/Marinha Brasileira
Avião brasileiro sobrevoa navio da Marinha francesa no litoral nordestino em 1963| Foto: Wikicommons/Marinha Brasileira
  • Diego Antonelli

Tensão

Navios chegaram a ficar frente a frente

Ao revogar a autorização para que os seis navios franceses capturassem lagosta no litoral brasileiro, em 1963, o presidente João Goulart provocou a ira dos franceses. Navios de guerra da França vinham prontos para um conflito. O Brasil, por sua vez, também se preparou. Em certa ocasião, um acidente entre um navio francês e um jangadeiro nordestino, que quase matou o pescador.

Um dos momentos mais tensos foi quando aviões brasileiros sobrevoaram, em fevereiro de 1963, embarcações francesas. “Eles sobrevoaram o navio com as luzes dos aviões apagadas. Isso deixou os franceses em pânico”, diz Tiago Zanella.

Na sequência, notícias veiculadas pelos jornais, como “Frota naval da França ronda costa do Brasil”, publicada pelo Última Hora, navios brasileiros foram ao encontro das tropas francesas. “Ficaram frente a frente. Se alguém disparasse um tiro, a guerra ia começar. Por sorte, ninguém atirou”, afirma o pesquisador.

Mesmo não tendo armamentos para uma guerra contra a França, o Brasil não recuou. A França imaginava que a postura firme do governo brasileiro estaria sendo respaldada pelos Estados Unidos. Afinal, havia o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca que determina que se algum país da América for agredido por outra nação de outro continente, os países americanos devem se ajudar. “O medo de os EUA entrarem na guerra fez com que a França retirasse as embarcações da costa brasileira.”

Disputa antecedeu o Golpe de 64

O historiador Túlio Muniz suspeita de que a Guerra da Lagosta também foi uma espécie de “laboratório” para o Golpe Militar de 1964, um ano depois do término do imbróglio entre Brasil e França. Ao mesmo tempo em que o presidente João Goulart recebeu apoio de parte da população, os militares também receberam apoio popular, segundo o pesquisador.

“Se a Guerra da Lagosta foi uma espécie de laboratório pró-reformas para Jango, foi igualmente um laboratório pré-golpe para os militares”, escreve, em artigo, Muniz, que é doutor em História pela Universidade de Coimbra.

Simpatia

Segundo ele, com a reação imediata para um eventual conflito, as Forças Armadas acabaram obtendo simpatia perante a opinião pública. No artigo, Muniz ainda salienta que a população comprou a briga contra a exploração da lagosta na costa brasileira e parte da imprensa da época defendia um discurso que valorizasse o governo nacional e também os militares brasileiros.

A pesca de um mísero crustáceo provocou uma das maiores crises diplomáticas da história entre Brasil e França. As duas nações, por pouco, não iniciaram um confronto militar. Navios franceses foram perseguidos pela frota brasileira e embarcações da nação europeia chegaram a ser apreendidas no litoral do Nordeste brasileiro. O imbróglio conhecido como Guerra da Lagosta começou nos primeiros anos da década de 1960. No decorrer da confusão, até o cantor Moreira da Silva comprou a briga e chegou a compor “A Lagosta é Nossa”, ecoando que o “litoral não é casa de mãe Joana”.

Nessa época, o Brasil começava a se interessar pela pesca do crustáceo, mas ainda de uma maneira mais artesanal. “A exploração da lagosta começou a crescer, mas apenas com alguns jangadeiros”, explica o pesquisador Tiago Zanella, especialista em questões marinhas. Os primeiros barcos franceses chegaram ao litoral de Pernambuco em março de 1961, com autorização para realizar “pesquisas”. Porém, o governo constatou que, na verdade, eles estavam pescando lagostas em grande escala. A licença foi cancelada.

Em novembro, a França solicitou autorização para atuar fora das águas territoriais brasileiras, na região da plataforma continental. No entanto, o país não cumpriu a palavra, fazendo com que os problemas aumentassem. Zanella relata que a primeira apreensão de um pesqueiro francês aconteceu em 1962. “A Marinha intensificou as operações e começou a apreender mais navios com lagostas brasileiras.”

Peixes e cangurus

As apreensões elevaram o tom de debate entre as nações. Por lei, qualquer animal da plataforma continental pertencia ao país costeiro. Assim, o Brasil alegou que a lagosta era um recurso pertencente à plataforma devido à sua natureza sedentária. Para se deslocar, o animal não anda. No máximo, executa saltos. Em resposta, o governo francês, presidido por Charles de Gaulle, argumentou que a lagosta pode ser considerada um peixe. Afinal, movia-se constantemente e, portanto, não era um recurso da plataforma. O objetivo era deslocar o assunto para o campo da pesca em alto-mar, permitida por lei.

Foi nesse contexto que o comandante Paulo de Castro Moreira da Silva, renomado oceanógrafo, defendeu o Brasil com a pérola: “Por analogia, se a lagosta é um peixe porque se desloca dando saltos, então o canguru é uma ave”. Em 1963, o circo pegou fogo.

O presidente João Goulart, quebrando as negociações para evitar a exploração do crustáceo, concedeu autorização para que seis pesqueiros voltassem a capturar lagostas na região. “A população se revoltou. Tanto que a autorização foi suspensa”, diz Zanella.

Foi a vez do presidente de Gaulle se revoltar e soltar a máxima “o Brasil não é um país sério”. Navios franceses foram enviados ao litoral brasileiro prontos para a guerra. Tropas brasileiras se armaram para o confronto. Porém, apesar de diversas ameaças de um conflito bélico, a França recuou e o Brasil conseguiu impedir a captura de lagostas em março de 1963.

Fonte: Gazeta do Povo

A Amazônia é essencial para o mundo


Por que a Amazônia é vital para o mundo?

MEIO AMBIENTE

Como a maior floresta tropical do mundo, a Amazônia possui a maior biodiversidade

Floresta leva umidade para toda a América do Sul, influencia regime de chuvas na região, contribui para estabilizar o clima global e ainda tem a maior biodiversidade do planeta.

Regime de chuvas

A Floresta Amazônica produz imensas quantidades de água para o restante do país e da América do Sul. Os chamados “rios voadores”, formados por massas de ar carregadas de vapor de água gerados pela evapotranspiração na Amazônia, levam umidade da Bacia Amazônica para o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. Esses rios voadores também influenciam chuvas na Bolívia, no Paraguai, na Argentina, no Uruguai e até no extremo sul do Chile. 

Segundo estudos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, uma árvore com copa de 10 metros de diâmetro pode bombear para a atmosfera mais de 300 litros de água em forma de vapor por dia – mais que o dobro da água usada diariamente por um brasileiro.

Uma árvore maior, com copa de 20 metros de diâmetro, pode evapotranspirar mais de 1.000 litros por dia, bombeando água e levando chuva para irrigar lavouras, encher rios e as represas que alimentam hidrelétricas no resto do país.

Assim, preservar a Amazônia é essencial para o agronegócio, para a produção de alimentos e para gerar energia no Brasil.

O desmatamento prejudica a evapotranspiração e, por consequência, a rota desses rios, podendo afetar assim o regime de chuvas no restante do país e diversas atividades econômicas. Além disso, o Rio Amazonas é responsável por quase um quinto das águas doces levadas aos oceanos no mundo.

Mudanças climáticas

A Amazônia e as florestas tropicais, que armazenam de 90 bilhões a 140 bilhões de toneladas métricas de carbono, ajudam a estabilizar o clima em todo o mundo. Só a Floresta Amazônica representa 10% de toda a biomassa do planeta.

Já as florestas que foram degradadas ou desmatadas são as maiores fontes de emissões de gases do efeito estufa depois da queima de combustíveis fósseis. Isso porque as florestas saudáveis têm uma imensa capacidade de reter e armazenar carbono, mas o desmatamento para o uso agrícola ou extração de madeira libera gases do efeito estufa para a atmosfera e desestabiliza o clima.

O Acordo de Paris, firmado em 2015 e cujo objetivo é manter o aquecimento da temperatura média do planeta abaixo de 2°C, passa necessariamente pela preservação de florestas. Dados da ONU de 2015 apontaram o Brasil como um dos dez países que mais emitem gases do efeito estufa no mundo, com 2,48% das emissões.

No âmbito do acordo internacional, o Brasil se comprometeu a reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 43% em relação aos níveis de 2005 até 2030. Para alcançar tal meta, o país se comprometeu a aumentar a participação de bionergia sustentável em sua matriz energética e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas, entre outros pontos.

Segundo o documento que detalha a chamada pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil para o alcance do objetivo do Acordo de Paris, anunciada em setembro de 2015, o país se propôs a “fortalecer políticas e medidas com vistas a alcançar, na Amazônia brasileira, o desmatamento ilegal zero até 2030 e a compensação das emissões de gases de efeito de estufa provenientes da supressão legal da vegetação até 2030”.

Equilíbrio ambiental

Como a maior floresta tropical do mundo, a Amazônia possui a maior biodiversidade, com uma em cada dez espécies conhecidas. Também há uma grande quantidade de espécies desconhecidas por cientistas, principalmente nas áreas mais remotas.

Assegurar a biodiversidade é importante porque ela garante maior sustentabilidade natural para todas as formas de vida, e ecossistemas saudáveis e diversos podem se recuperar melhor de desastres, como queimadas.

Preservar a biodiversidade amazônica, portanto, quer dizer contribuir para estabilizar outros ecossistemas na região. O recife de corais da Amazônia, por exemplo, um corredor de biodiversidade entre a foz do Amazonas e o Caribe, é um refúgio para corais ameaçados pelo aquecimento global por estar em uma região mais profunda.

Segundo o biólogo Carlos Eduardo Leite Ferreira, da Universidade Federal Fluminense, esse recife poderá ajudar a repovoar áreas degradadas dos oceanos no futuro, mas petroleiras Total e BP têm planos de explorar petróleo perto da região dos corais da Amazônia, ameaçando assim esse ecossistema.

A biodiversidade também tem sua função na agricultura: áreas agrícolas com florestas preservadas em seu entorno têm maior riqueza de polinizadores, dos quais depende a produção de alimentos, como café, milho e soja.

Produtos da floresta

As espécies da Amazônia também são importantes pelo seu uso para produzir medicamentos, alimentos e outros produtos. Mais de 10 mil espécies de plantas da área possuem princípios ativos para uso medicinal, cosmético e controle biológico de pragas.

Em 2017, uma pesquisa da Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, mostrou que a planta unha-de-gato, da região Amazônica, além de ser utilizada para tratar artrite e osteoartrose, reduz a fadiga e melhora a qualidade de vida de pacientes em estágio avançado de câncer.

Produtos da floresta são comercializados em todo o Brasil, como açaí, guaraná, frutas tropicais, palmito, fitoterápicos, fitocosméticos, couro vegetal, artesanato de capim dourado e artesanato indígena. Produtos não madeireiros também têm grande valor de exportação: castanha-do-brasil (também conhecida como castanha-do-pará), jarina (o marfim vegetal), rutila e jaborandi (princípios ativos), pau-rosa (essência de perfume), resinas e óleos.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Amazônia em foco


Amazônia à mercê do desmatamento: Área maior do que a região Sul está à mercê do desmatamento ilegal na Amazônia

São 70 milhões de hectares; entre 2010 e 2015, 25% da derrubada de floresta na região foi registrada ali.

Amazônia à mercê do desmatamento

Desmatamento na Amazônia
Desmatamento na Amazônia. by Wilson Dias/Ag.Brasil

Brasília/Belém, março de 2018 – Uma área maior do que toda a região Sul do Brasil – 70 milhões de hectares – coberta por florestas está hoje à mercê de grileiros e desmatadores ilegais na Amazônia.

Destinar essa área para conservação e uso sustentável pode ser o melhor caminho para protegê-la e permitir que o Brasil cumpra sua meta de reduzir a emissão de gases de efeito estufa, dentro do combate global às mudanças climáticas.

Essa é a defesa que os pesquisadores Claudia Azevedo-Ramos, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (Naea/UFPA), e Paulo Moutinho, do IPAM, fazem num artigo que será publicado na edição de abril da revista “Land Use Policy”

Terra de ninguém na Amazônia
O futuro da Amazônia
O futuro da Amazônia

Com o sugestivo título de “Terra de ninguém na Amazônia”, os dois elencam justificativas e caminhos para tornar essas florestas públicas, federais e estaduais, em áreas protegidas. Hoje elas não estão destinadas a nenhum tipo de uso, apesar de sua importância para o equilíbrio climático.

Esses 70 milhões de hectares estocam 25 bilhões de toneladas de gás carbônico (CO2), equivalente à soma da emissão brasileira de gases do efeito estufa por 14 anos. É motivo mais do que suficiente para manter as florestas como estão. Isso é especialmente importante quando leva-se em conta a meta climática que o Brasil se comprometeu internacionalmente: atingir, até 2025, uma emissão anual de 1,38 bilhão de toneladas de CO2, ou uma queda de 87% à taxa registrada em 2014.

“As florestas públicas não destinadas na Amazônia hoje atuam como um grande sistema de irrigação e um verdadeiro ar-condicionado gigante, dos quais dependem a produção agrícola da região”, diz Moutinho. “Deixar essa área à mercê do desmatamento pode colocar em risco a pujança futura do agronegócio e a ambição brasileira de tornar o país o ‘celeiro do mundo.”

O tempo urge – Amazônia à mercê do desmatamento

O alerta dos pesquisadores contém outro número impressionante: 25% do desmatamento registrado na Amazônia entre 2010 e 2015 aconteceu dentro dessas áreas públicas desprotegidas. A taxa, traduzida em emissões de CO2, chega a 200 milhões de toneladas, volume equivalente a quase metade do que o setor de energia no Brasil emitiu em 2016, de acordo com dados do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa).

Os autores do estudo defendem que os governos destinem os 70 milhões de hectares para conservação e para usos sustentáveis dos recursos naturais, de forma a manter a cobertura florestal que, por sua vez, permite ao regime de chuvas ficar minimamente estável.

Retrocesso – Amazônia à mercê do desmatamento

“Não há nenhuma justificativa econômica suficientemente forte para defender que essas áreas com florestas públicas sejam convertidas em lavoura ou pasto frente à área já desmatada na Amazônia”, afirma Moutinho.

Amazônia à mercê do desmatamento
Desmatamento ilegal na Amazônia. Matt Zimmerman

Cerca de 10 milhões de hectares já foram derrubados na região e estão subutilizados. É terra suficiente para aumentar o crescimento de produção agrícola almejado pelo governo brasileiro.

Para evitar longos e burocráticos processos de criação de unidades de conservação, os pesquisadores propõem um sistema escalonado de destinação, com uma fase de transição em que grandes trechos de terra seriam declarados sob a responsabilidade de uma única agência do governo, apropriada a este fim.

“A declaração oficial de que o governo está presente e cuida dessas florestas ajuda, por si só, a afastar ações ilegais”, explica Azevedo-Ramos. “Mas não se pode parar por aí. Estudos detalhados posteriores devem definir seu correto e definitivo destino, seja ele social, econômico ou de proteção.”

Atividades sustentáveis para fomentar a economia local – Amazônia à mercê do desmatamento

Segundo os autores do artigo, a ideia não é “cercar” todas essas áreas para afastar invasores, mas associar a proteção às atividades sustentáveis para fomentar a economia local.

“Estimular uma economia de base florestal, por exemplo, é essencial para garantir a conservação de largas extensões de florestas na Amazônia”, diz a pesquisadora. “Uma área protegida de uso sustentável, por exemplo, tem a vantagem de incluir pessoas, fomentar o uso econômico e ser melhor aceita pelos estados, pelos municípios e pela sociedade do entorno. Portanto, possui maior probabilidade de ser criada em curto prazo e de apresentar benefícios locais.”

Fonte: biologo.com.br