Elzita Santa Cruz nunca desistiu do filho, virou símbolo da luta contra a ditadura militar


Dona Zita, como era chamada, iniciou sua saga por prisões, quartéis e órgãos de repressão à procura dos filhos. Sempre foi grande defensora dele. Fernando foi o primeiro a ser preso. Três anos depois, foi a vez de Marcelo que chegou a ser expulso da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco por sua atuação política. Ele chegou a exilar-se em Portugal e passou pela Bélgica como alternativa ao cerco à família. Dois anos depois, a filha mais velha, Rosalina, atuais 70 anos, foi sequestrada por agentes da repressão no Rio de Janeiro em companhia do marido. Rosalina pertencia à organização Vanguarda Armada Revolucionária Palmares. A busca de dona Elzita pelo filho consistiu na peregrinação por quartéis, como o DOI-Codi, e procura por entidades, políticos e autoridades do regime, além da Cruz Vermelha, Anistia Internacional e Organização dos Estados Americanos. Acabou tornando-se símbolo da resistência. Lutou até quando pôde pela descoberta do paradeiro de Fernando, embora não tivesse mais pretensões de descobrir a identidade dos possíveis assassinos do filho. Elzita perdeu a lucidez há apenas três anos, aos 102. Votou até o ano anteior, aos 101. Vivia em Olinda, ao lado da filha Eleonora e, ao redor dela, ainda orbitava toda a grande família. Um dos netos de Elzita, Felipe Santa Cruz, filho de Fernando é, atualmente presidente da OAB nacional. O Conselho Federal da Ordem emitiu nota oficial. O texto afirma, na íntegra: Comunicamos, com profundo pesar, o falecimento de D. Elzita Santa Cruz, avó paterna do presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz, nesta manhã. A OAB se solidariza com toda a família e amigos de D. Elzita, um exemplo de fibra e coragem para todos nós. Em comunicado, o filho Marcelo Santa Cruz informou o falecimento da genitora. “Comunicamos que acaba de falecer (dia 25/06) minha querida mãe (ELZITA SANTA CRUZ,), que deixou um exemplo de vida aos 105 anos. Dizia Dom Hélder Câmara, para ter uma vida longa era preciso ter uma boa causa para lutar”, afimou.

O governador do Estado, Paulo Câmara, emitiu, por meio de nota, um pronunciamento oficial em que afirma sentir pesar com o recebimento da notícia. “Quero prestar minha solidariedade à família e aos amigos dessa mulher guerreira, em especial ao seu filho Marcelo e ao seu neto Felipe Santa Cruz. Dona Elzita foi incansável na busca por direitos humanos e justiça para seu filho Fernando e para outras vítimas da ditadura. A sua dedicação a essas causas seguirá nos inspirando”, destacou.

A Prefeitura de Olinda, por meio de nota assinada pelo prefeito, professor Lupércio, também lamentou profundamente o falecimento de Dona Elzita Santa Cruz. “Um símbolo de luta e determinação. Nascida e criada em Olinda, ela deixa um legado marcado pela  perseverança da democracia e contra as injustiças em defesa da paz. Nossos sentimentos aos familiares e amigos”.

Chico de Assis, também preso político, descreveu o falecimento como uma incomensurável perda para a luta democrática. “Não apenas no Brasil! Ela era um símbolo internacional de luta pelos direitos humanos, que adquire importância ainda maior quando se percebe os ventos que sopram hoje no mundo!”, afirmou. A jornalista Sílvia Bessa, do Diario de Pernambuco, acaba de por um ponto final numa minibiografia que escreve sobre Elzita a convite do Instituto Wladimir Herzog. O instituto convidou 13 jornalistas de todo o país para escrever sobre mulheres com histórias de protagonismo para o livro “Heroínas desta história”, a ser publicado ainda este ano. “Foi uma grande honra para mim escrever sobre esta mulher forte e incrível exemplo de coragem”. Silvia entrevistou dona Elzita por quatro vezes para trabalhos anteriores e, para este perfil, ampliou pesquisas junto a família.Biografia – Elzita nasceu em Água Preta, interior de Pernambuco, passou a infância em Alagoas e a adolescência em Palmares. Aos 21  anos, casou-se pela primeira vez. Seis meses depois o marido morreu de tuberculose. Cinco anos mais tarde, uniu-se ao médico sanitarista Lincoln Santa Cruz e mudou-se para Olinda. Teve dez filhos (perdeu três), além de 28 netos e 24 bisnetos.

Fonte: Diário de Pernambuco

Publicado por luislins

Pernambucano, Casado, quatro filhos, Servidor Público.

Obrigado pela sua participação!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: