AS ARBITRARIEDADES DA DITADURA

herzogditadura
» HISTÓRIA
Atas expõem arbitrariedades dos militares
Publicado em 05.04.2009 – Jornal do Commercio

Documentos do Conselho de Segurança Nacional mostram os diferentes critérios que o regime militar utilizava para absolver ou cassar mandatos e direitos políticos com base no AI-5. Julgamento de Mário Covas é citado

Agência O Globo
BRASÍLIA – As atas do Conselho de Segurança Nacional mostram que os militares usavam critérios distintos, além de arbitrários, para absolver ou cassar mandatos e direitos políticos com base no AI-5. Em alguns casos, ter um bom amigo nas Forças Armadas bastava para salvar a pele de um acusado de subversão. Em outros, uma suspeita vaga de simpatizar com o comunismo era suficiente para decretar o fim da carreira de políticos jovens e promissores. Os dois fatores pesaram no julgamento do ex-governador de São Paulo Mario Covas, em 16 de janeiro de 1969.

Ao anunciar seu processo, o presidente Costa e Silva definiu Covas: “Um rapaz que conheço pessoalmente, simpatizo muito com ele, mas que se excedeu demais em sua atuação política”. O vice-presidente Pedro Aleixo citou um pronunciamento do então deputado do MDB, acusando-o de porta-voz de agitadores: “Embora muito inteligente, ele não tem capacidade literária para fazer discursos dessa natureza”.

O ministro da Justiça, Gama e Silva, foi mais incisivo: “Posso dar meu testemunho, como homem de São Paulo, da ativa atuação comunista do senhor Mario Covas”. O presidente ainda tentou aliviar a punição: propôs a cassação do mandato sem suspender os direitos políticos de Covas por dez anos. “Por ser religioso, desejo que não haja vingança pessoal. É um homem que ainda pode ser recuperado”, apelou. Isolado, o marechal acabou aplicando a pena máxima.

Costa e Silva foi menos piedoso com Niomar Moniz Sodré Bittencourt, dona do Correio da Manhã, presa por publicar artigos contra a ditadura. “Ela é violentamente agressiva”, disse.

As atas traçam um perfil peculiar e inconstante do marechal do AI-5. Em alguns momentos, mostrava-se ansioso para cassar os acusados. “Vamos agora ver o caso de dois homens da Arena. Eles têm um passado que ninguém sabe explicar como não foram cassados antes”, disse, em 1969. No mesmo dia, aceitou reduzir a pena do deputado João Herculino Lopes: “Em face da brilhante defesa do senhor vice-presidente, o presidente resolve castigá-lo apenas com a cassação do mandato”.

Os motivos para perder o mandato podiam ser mais prosaicos. Um deputado carioca da Arena perdeu o mandato por batizar uma rua no Méier com o nome de um sargento comunista. No governo Geisel, as acusações de corrupção pesaram em julgamentos como o do deputado estadual Eurico Guimarães Neves. Sua ficha no SNI era contundente: “É apontado como desonesto, corrupto e aproveitador. Muito ligado a um maconheiro e distribuidor da erva maldita, o que robustece as acusações de que conseguiu fortuna explorando tráfico de entorpecentes. É considerado pistoleiro e indivíduo de péssimo caráter.”

Mas o governo Geisel também punia discursos. Em 1976, o deputado Lysaneas Maciel desabafou na tribuna: “Estamos nos acostumando com a falta de liberdade (…). Estamos nos acostumando com o desaparecimento de brasileiros, sua tortura, sua morte presumida. Este Congresso aceita tranquilamente o fato de que, neste momento, pelo menos cinco ex-parlamentares estejam sendo mortos e torturados”. Foi cassado dias depois.

DOCUMENTOS CITAM LULA (CLIQUE AQUI).

Publicado por luislins

Pernambucano, Casado, quatro filhos, Servidor Público.

Obrigado pela sua participação!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: